Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Toró

Chega torrencial. Não para! Não para! Não para!
Fenômeno natural de arma que dispara
Continua, indo nua molhando tudo
Um céu de água desabando
Sem lua iluminando o escuro
Segue torrencial. Desampara. Não para! Não para!
Com a força de seu início
Permanece como catástrofe
Acentua acelerando numa lamúria
Tom que força o declínio
Infindável manancial. Desagrada. Não para! Não para!
Barulho ensurdecedor da chuva mil
Dificulta a respiração e falta ar
Muita água. É ruim pra enxergar
Perpetua a inundação. Desvive. Não para! Não para!

Nenhum comentário:

Postar um comentário