Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, desenhos, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

3ª Moral

Terceira e última versão de conto com três versões e morais diferentes.

Tudo que ela desejava era que aquele pesadelo terminasse o mais rápido possível. Já tinha perdido a noção de tempo e não sabia quantos dias estava cativa, mesmo porque também não sabia por quanto tempo havia ficado desacordada, desde que fora abordada. A desorientação lhe era tão pavorosa quanto a violência a que fora submetida
Sua mão enfaixada com o curativo imundo, já não doia tanto. Tinham-lhe cortado um dedo mindinho, para comprovar a seus familiares a seriedade daquele sequestro. Já não passava horas chorando, como no primeiro dia da tragédia que estava vivendo. Aquele terror era real, inimaginável antes, mas surpreendentemente real.
O cativeiro era escuro, com apenas uma fresta no teto brotando iluminação natural do céu. Só através deste orifício de centímetros é que tinha noção de ser dia ou noite.
Quando a porta se abria, era pra receber água ou comida de seus sequestradores. Tinha um certo desgosto pelo fedor e não tinha mais forças pra se limpar, de suas necessidades fisiológicas realizadas num dos cantos do ambiente.
Suor encharcante; ceroto preto espalhado por toda pele que estava salpicada com ferradas de muitos insetos; coceira constante; unhas quebradas; cabelo embaraçado recheado de pulgas e piolhos; dores nas articulações; alguns hematomas nos membros; fome ininterrupta; sensação febril e a forte enxaqueca completavam aquilo que contrastava inquestionavelmente com a sua outrora pacata e divertida vida de shopping, faculdade, carro e iphone.
Baratas, ratos e diversos outros bichos nojentos eram tão presentes, que já não causavam mais repulsa. Não conseguia dormir direito, porque tinha que ficar espantando estas mazelas que teimavam em tentar mordiscar sua mão, atraídos pelo odor do sangue coagulado.
Ainda tinha esperanças de sair dalí, porque na realidade fincanceira de seus pais, sabia que qualquer quantia poderia ser paga, por sua vida. Tinha fé em Deus e rezava em voz baixa, constantemente, desde que fora jogada alí naquele inferno fedido e sombrio. A reza alí, por mais ingênua que possa lhe parecer, lhe confortava num placebo consolador.
Pela fresta no teto, sabia que era manhã, pois não havia muito que estava escuro.
Com muita sede, estava sentada no chão, encostada na parede, no meio de uma reza, quando escutou baruho da porta destrancando. Viu ela se abrindo e recebeu a iluminação externa em sua face.
Antes de seus olhos se acostumarem com a claridade, percebeu um homem corpulento e muito mal encarado, entrando com uma arma na mão, que foi logo dizendo:
- Vamos ter que sair daqui, gracinha! Os homens da lei já sabem que estamos por essas áreas. - Levanta! Vamos dar uma volta.
Assim que terminou a fala, sua cabeça explodiu, juntamente com o ensurdecedor ruído de um tiro. O corpo cambaleou e caiu sem vida, espalhando sangue a seu redor.
Ela ficou atônita com os olhos arregalados e antes que falasse ou mesmo pensasse algo, teve sua atenção voltada para porta, com a entrada de um policial fardado, empunhando uma arma com fumaça saindo pelo cano.
A jovem abrindo um sorriso, levantou-se e começou a falar repetidamente:
- Graças a Deus! Graças a Deus! Graças a Deus!
Antes de continuar sua graça, recebeu uma coronhada do policial e caiu de cara no chão, desacordada. O policial guardou a arma no coldre e começou a tirar sua calça dizendo:
- Primeiro vou me divertir um pouco com tua buceta, depois vou levar teu corpo morto pra um laranja pegar o resgate com tua família. Nem pensa em acordar, senão tu vai apanhar mais ainda, vagabunda!

Moral da história: Aquilo que temos de mais sagrado, para uns pode ser plenamente descartável.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

O Fantasma - Piratas do Céu: A Saga Completa

Curioso ver que o começo da popularização das histórias em quadrinhos, paralelamente ao gênero infantil, melhor impulssionado por Walt Disney, emergiu também o infanto/juvenil, com os super-heróis e o gênero adulto. Evidentemete que TarzanMandrake e Fantasma são sempre colocados neste segundo gênero, mas dificilmente crianças conseguem gostar de Mandrake e Fantasma (ambos criação de Lee Falk que ganharam forma nos traços de Ray Moore). graphic novel de luxo “O Fantasma – Piratas do Céu: A Saga Completa” lançada pela Editora PixelEdiouro Publicações e Otamix Produções Artísticas, traz a segunda aventura do Espírito que Anda, publicada originalmente no formato de tiras diárias nos jornais de 9 de novembro de 1936 a 10 de abril de 1937, de forma grandiosa e saudosista.
Capa da ótima graphic novel louvando
o lendário Espírito que Anda
O álbum abre com uma súmula apresentativa do personagem, para melhor entendimento daqueles que estão tendo contato pela primeira vez com este personagem lendário e mitológico. Em seguida uma curta resenha da aventura marcante no legado do herói e logo na sequência a própria HQ em si, que, fielmente às tiras de jornais, dá uma rápida retrospectiva da história anterior “Os Piratas Singh” (a primeira aventura do personagem). Na trama, Fantasma se encontra na obrigação de combater a pirataria de uma gangue que pratica roubos, atacando ferozmente em misteriosos aviões, que não deixam rastros de suas bases, escondidas em algum lugar dos mares. O curioso é que a violenta gangue é formada apenas por mulheres que, apesar de indiscutível beleza, não se poupam de crueldade. Lideradas por uma calculista vilã de codinome Baronesa, descobrem no secular mascarado, um inimigo pronto para combatê-las a todo custo, no cumprimento da Lei. A cena do drama é roubada pela coadjuvante de nome Sala, a segunda no comando da gangue feminina. Ambas as líderes acabam por se apaixonar pelo charmoso herói que não hesita em tirar uma certa vantagem do triângulo amoroso. No desfecho da aventura, que evidentemente culmina na prisão das criminosas, Baronesa acaba por falecer. Após essa primeira HQ, a edição mostra um cartaz promocional da época, divulgando a aventura, com um histórico de sua publicação no Brasil e sem deixar o leitor perder o fôlego, as próximas páginas já são com a segunda história “A Volta das Piratas do Céu”. Nesta sequência Sala toma a liderança da gangue que, reagrupada volta a praticar a pirataria, aterrorizando céus e mares com o viés misterioso de seus aviões de luzes roxas. Desta vez Sala tem a colega de crime Margo, como a segunda mulher no comando do grupo. Esta também se apaixona por Fantasma e ambas alternam-se no dilema de matar ou ajudar o herói, frente a todas surpresas que vão acontecendo no decorrer dos quadrinhos. Na conclusão fica uma deixa pra continuação, contudo, isto nunca chegou a se concretizar pela arte dos criadores. Falando nos criadores, um textículo biográfico sobre ambos (Falk e Moore) fecha o álbum.
Justamente para não deixar este grandioso personagem, cair no esquecimento e marcar constantemente sua presença na história da nona arte, é que sempre haverá publicações como “O Fantasma – Piratas do Céu: A Saga Completa”. Um comic book obrigatório para saudosistas, estudiosos do assunto e leitores de bom gosto.
Editora Ediouro Publicações LTDA, Rio de Janeiro, 2013. 128 páginas.



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Lançamento do Livro "Quadrinhos Através da História - As Eras dos Super-Heróis"

No domingo do dia 17 de setembro de 2017 o grupo denominado simplesmente como "Quadrinheiros", formado por Adriano Marangoni (o Velho Quadrinheiro), Bruno Andreotti (Nerdbully) e Maurício Zanolini (o Picareta Psíquico), lançou o livro "Quadrinhos Através da História - As Eras dos Super-Heróis". Editora Criativo, 112 páginas.
O lançamento sucedeu na cidade de origem do grupo, São Paulo, mais precisamente na aconchegante burgueria gourmet Jazz Restô e Burgers, localizada na Vila Mariana, por volta das 15:00 deste domingo.
Na formalidade corriqueira de todo lançamento, a obra em stand à venda, juntamente com o primeiro livro do grupo "Os Dois Lados da Guerra Civil" (que também teve redação de Iberê Moreno - o Sidekick), sessão de autógrafos, uma sucinta palestra dos três autores e mais sessão de autógrafos. Na palestra, uma súmula apresentativa do livro. O contexto de caráter pontualmente acadêmico, tornou-se extremamente mais acessível com histórias relatadas de experiências no universo dos quadrinhos que transitavam entre o pessoal e o hilário, abordando evidentemente o foco da brochura. O microfone era alternado entre os três componentes que se expressaram por volta de quarenta minutos.
O ambiente lotado teve sua totalidade acatando o parlatório dos Quadrinheiros e colaborando na aquisição do produto promovido. Dentre as testemunhas, este que vos escreve, representando o Clube dos Quadrinheiros de Manaus, em primeiro contato com os semelhantes paulistanos.
No afã, a certeza de futuros similares, na torcida de que Quadrinheiros, seja no sudeste metropolitano ou em plena floresta Amazônica, estão em ascenção progressiva, conquistando cada vez mais espaço e dando voz a leitores, estudiosos, colecionadores ou simplesmente apreciadores da nona arte.
Go ahed, Quadrinheiros!

Picareta Psíquico na palavra, o Velho Quadrinheiro de vermelho e Nerdbully no primeiro plano

A palestra com revezamento da palavra, por volta de quarenta minutos, apresentando a obra lançada

Stand de vendas da obra anterior e logicamente da lançada na ocasião

Sessão de autógrafos descontraída e animada dos carismáticos autores Quadrinheiros

Um Quadrinheiro da selva Amazônica com os Quadrinheiros da selva de pedras

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Frio

Infesta qualquer ambiente
Desestimulando quase tudo
Onipresença descontente
Transforma falador em mudo
Se tem orvalho faz tremer

Incita a pirotecnia
Mata muita gente
Indiferente de etnia
Gela qualquer quente
Dia ou noite pra temer

Inibi até animal
Pede mais de um cobertor
Céu com aurora boreal
Neve sela o redentor
Não adianta correr

Inquieto vai acalmar
Desacelera o coração
Água sólida pra tomar
Até o amor diz não
Fogo logo vai morrer

sábado, 26 de agosto de 2017

Registro em Catálogo de Exposição

Abaixo digitalização de página do catálogo da exposição "Natal em Quadrinhos", realizada pelo Clube dos Quadrinheiros de Manaus, na Galeria do Largo, em 13 de dezembro de 2013 a 12 de janeiro de 2014, que confirma minha participação como expositor.


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Convite da Prefeitura Municipal pra Lançamento de Livro

Abaixo, digitalização de convite da Prefeitura Municipal de Manaus para o lançamento de vários livros, incluindo o "Clube dos Quadrinheiros - As Melhores Histórias" que eu organizei e lancei no ano de 2006 em parceria com a Editora Valer e EDUA.



sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Aforismos Oresteanos

"A humanidade ainda está longe de viver um paradigma social perfeito. Até existem alguns exemplos que poderiam funcionar, mas estes são confinados a grupos que não poderão desenvolver-se muito. Algo assim, é mantido sob fiscalização do censor, pra existir como minoria e por vezes, inflitra-se um homem duplo formador de opiniões", pra se alcançar informações, controle ou provocar implosões.”

"A modéstia só é honesta quando provinda da humildade."

"Absolutamente todas as execuções de músicas no mundo todo, seja através de meios digitais, analógicos ou ao vivo, mesmo os chamados ‘cantos no chuveiro’, efim, todo tipo de execução é sempre escutado por alguma entidade que já não possui corpo físico, não é avistado por um encarnado, mas está alí presente. Logicamente que, quase nenhum, dos ‘transmissores’ que estarão realizando as execuções, seja um grupo de estudante treinando violão num conservatório, um festival de grandes proporções com música ao vivo ou o tiozão tomando latinhas de cerveja, num sofá, frente ao aparelho de televisão, não sabem do testemunho dos terceiros espectrais, mas eles sempre estão lá escutando."

"O bem estar pós orgasmo, é o momento perfeito para a tranquilidade espiritual."

"Se a rotina é acompanhada ininterruptamente, então já não existe mais liberdade. E há muito tempo."

"Na abordagem de tratamento da língua, o ato dito pode fazer o Deus. É na eterna busca desta excelência, que atua o advogado, o jornalista, o político, o sindicalista, o padre etc."

"A maioria das interferências são de desconhecimento da maioria de pessoas."

"Se no atual cenário político brasileiro existir arte, pode ser uma tragédia realista e medonha ou uma comédia com humor negro sinistro."


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Folder e Divulgação Oficial de Antiga Oficina

Já postei neste blog o cartaz desta oficina, que ministrei no SESI em 1999, e um breve relato da experiência. Agora posto panfleto e informativo de programação da entidade.

Exterior de folder da Oficina

Interior de folder da Oficina

Divulgação de programação oficial do SESI

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Garota Rock n' Roll

Com carreira iniciada no ano de 1999, a banda The Mones já tem alguns CD demos lançados e participação em inúmeros shows, festivais e eventos na cidade de Manaus. Contudo, somente no ano de 2015 que eles lançam seu debut com produção profissional. “Garota Rock n’ Roll” não tem apenas produção profissional, mas também ótimas músicas, caráter de quem está entrando na maturidade e filosofia puramente rocker.
Capa do ótimo debut da banda amazonense The Mones
A abertura se dá com a hilária “Barriga de Cerveja”. Poucos acordes, e canção reta, na mais fiel linha ramoníaca. Na sequência “Com a Cabeça Feitamostra que eles poderiam variar, trabalhando um pouquinho mais as letras. Na terceira posição está “Bebaça Vômito” que é cantada pelo baixista e revela que não há mesmo variação nas temáticas. Em seguida o single do disco “Eu Estou Aqui”, dá a deixa de que não se precisa de muita técnica vocal pra se fazer um rock bacana. A quinta faixa é “Correndo pro Bar” que levanta o questionamento: será que os rockeiros de Manaus só querem saber de beber e nada mais? A próxima é “Eu Não Quero Ser como os Outros” que tem apenas duas frases em sua letra, mas em compensação é uma das faixas mais cativantes de todo o CD. Posteriormente a faixa que nomeia o trabalho justifica todo o desleixo do grupo e dessa infame retórica. “Tão Louca Assim” segue a trajetória de sexo, álcool e rock. A penúltima é “Parece Ser” que apresenta a influência da fase CJ dos Ramones. Pra fechar a bolacha “Você me Faz Bemdeixando uma leve sensação de “quero mais”.
A masterização ficou a cargo de Davi Pacote Schvarcv Gomes, ex Tequila Baby. A arte gráfica traz letras, ficha técnica, contato, foto e caricatura dos músicos. The Mones acerta em cheio com “Garota Rock n’ Roll”. São menos de 25 minutos destrinchando o mais cru do rock bebum onde a busca por algo mais trabalhado e inteligente é saciada pela indiferença apolitizada da luxúria.