Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Palestra no 5º Circuito de Cultura Urbana

No dia 17 de setembro de 2016 consegui ministrar a palestra "História e Histórias do Clube dos Quadrinheiros de Manaus" no 5º Circuito de Cultura Urbana Magdalena Arce Daou.
Com cerca de uma hora de explanação, toda a história do grupo foi apresentada e ilustrada. Da criação, dos grandes feitos no legado e da situação atual. A tendência é que o projeto seja ampliado com o decorrer do tempo, visto a continuação ininterrupta do Clube.
Abaixo alguns registros fotográficos do ato.






terça-feira, 2 de agosto de 2016

sábado, 30 de julho de 2016

Programa Meio Dia em Revista

Participação  no programa Meio Dia em Revista, no canal da TV Cultura, em 06/07/2016.


sexta-feira, 29 de julho de 2016

Aforismos Oresteanos

"A auto sustentabilidade deve ser efetivada em todos os aspectos. Quando houver um equilíbrio desses aspectos, o ser e sua existência, passam a ser plenos em excelência."

"Desconfie dos governos que não reconhecem ser censores. Estes são os piores, porque o fazem sob a hipocrisia da negação desta barbárie."

"Discos de CD são muito bons pra alguns fins que não tem nada a ver com escutar música."

"Para que um ideal deixe de ser apenas utopia, basta que seja posto em prática, ao menos uma vez, em algum lugar. Como não é necessário que a prática venha do idealista em si, e nem mesmo carece de seu conhecimento, então não existe utopia."

"Os seres humanos mais felizes do mundo, são algumas mulheres que utilizam sabiamente suas capacidades fisiológicas de multiplo orgasmo."

"Existem duas histórias. A oficial divulgada e registrada conforme o praxe imposto pelo Estado e a oculta que complementa ou contradiz a oficial."

"Aquele dito artista que não deseja ter sua obra replicada, terá de parar sua produção. Mesmo se o fizer para o restrimento de apenas a sua ciência, esta produção será descoberta um dia, depois de sua morte. Poderá até demorar, mas um dia ela será descoberta e finalmente replicada."

"Algumas pessoas precisam ter o raciocínio estimulado, por terem determinado desleixo em desenvolverem-se por vontade própria. Os manipuladores usam de seus argumentos calculados, pra estimularem os raciocínios de seus receptores, no caso estas pessoas com as dificuldades, e os moldarem conforme seus interesses próprios."

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Ensaio - Braços

Mais um ensaio teste de desenhos. Desta vez com braços explorando expressões e movimentos. A digitalização não está boa, mas dá pra entender o desenho.
Lápis.


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Minha Vida Como Um Ramone - Punk Rock Blitzkrieg

Um músico afastado de uma banda conceituada por bebedeira incontrolável, que provocou cancelamento de show, dificilmente terá credibilidade para uma autobiografia confiável. Mas e se esse músico conseguir, com muita perseverança, auto controle e senso crítico, parar com seu vício, voltar ao melhor de sua forma, cumprir seus compromissos profissionais e ainda obter sucesso na diversificação de negócios? Marky Ramone é este exemplo e ganhou essa credibilidade ao escrever, com Rich Herschlag o sincero "Minha Vida Como Um Ramone - Punk Rock Blitzkrieg".
Capa da sincera autobiografia de Marky Ramone
Totalmente oposta a autobiografia de Johnny Ramone que é curta, repleta de fotos e páginas com pouco texto, a de Marky tem mais de 400 páginas com narrativa detalhista e nem uma única foto sequer. Obviamente que, assim como o título deixa claro, o maior foco de Marc Bell está na sua passagem pelos Ramones, isso até é esperado por fãs e historiadores da música, visto que, além de sua passagem ter sido duradoura, trata-se da banda mais significativa de sua vida. Porém, Marky rompe esse limite ao expor sua carreira pós e pré Ramones, com ênfase na mitologica banda Dust e o, não menos importante, Richard Hell and the Voidoids. Ainda franzino e menor de idade, no powertrio que ajudou a disseminar o heavy metal em Nova York, o baterista chamava a atenção de todos pela performance nos arranjos virtuosos. Curiosamente viria ficar famoso e seguir, até os dias de hoje, num estilo bem menos sofisticado. Com Richard começaria seus anos de excessos que viriam a se intenssificar posteriormente com o amigo Dee Dee. A propósito, com este baixista é que se dão as histórias mais hilárias e surreais do livro. Algumas beiram o inacreditável. Contudo, quem leu a autobiografia de Dee, sabe que ele sempre viveu quebrando as barreiras da sanidade. Voltando a Marky, em alguns trechos, ele dá pistas de suas técnicas adotadas com as baquetas. Noutros, dispõe sua intimidade com as bebidas. Em determinadas passagens, percebe-se que este era o membro mais próximo de Joey Ramone e por ventura, leves desavenças com CJ. Impossível não notar que ele se mantêm extremamente grato por ter feito parte da família que ajudou a moldar a música pop contemporânea. Uma curiosidade está na lista de agradecimentos que é composta obviamente por nomes de profissionais, amigos e parentes, mas também por filmes e até carros (?). Orelhas de Clemente Nascimento (Inocentes/Plebe Rude).
Como um todo, "Minha Vida Como Um Ramone - Punk Rock Blitzkrieg" não é apenas a autobiografia de Marky Ramone que, indiscutivelmente está como literatura obrigatória para os ramonemaníacos, mas também um desabafo visivelmente verídico e que, por isso, merece toda credibilidade.
Tradução de Alyne Azuma; Editora Planeta; 447 páginas; São Paulo; 2015.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Registros do Lançamento de O Desejo Eterno

Solenidade de lançamento na livraria Leitura (AM) com coquetel e sessão de autógrafos
 
Reconhecimento da editora Valer a singularidade da obra O Desejo Eterno

Não tenho costume de dar autógrafos, mas não pude fugir da necessidade

A equipe técnica do projeto quase completa. Da esquerda pra direita: a modelo Alessandra Gomes, o capista Rafael Artemis Soares, o letrista, autor das orelhas e digitalizador Vicente Cardoso, eu e o casal de fotógrafos Ricardo Kallai e Elem Fragoso. Só faltou o terceiro fotógrafo Jimmy Christian

Tios, tias, primos, primas, sobrinhos, sobrinhas e até a mãe presente na foto que não contou com a presença de todos os amigos que estiveram na solenidade, Porque maluco também tem família.
 
Mais fotos no evento do G+ e no Facebook da editora Valer

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Antiga Roll - Zumbi do Bar

Após iniciar sua carreira com um CD demo em 2009 e o ótimo EP "De Jaqueta no Inferno" (ver link http://whiplash.net/materias/cds/204011-antigaroll.html) no ano de 2012, a banda amazonense Antiga Roll lança no final de 2015 o seu primeiro álbum completo que, para felicidade geral, sai no formato CD e LP pelo selo independente Mama Records. "Zumbi do Bar", assim como o restante da discografia, encontra-se pra download gratuito ou audição online no site oficial da banda (http://antigaroll.com/). Quem curte um bom rock and roll básico, sem frescuras com letras no universo rockeiro notívago, não deve deixar de conferir.
Capa do  divertido "Zumbi do Bar" da Antiga Roll
A bolachinha abre com "Garota de Valores" que entrega todo o espírito verdadeiramente rocker do nicho explorado. Uma pena ser uma faixa tão curta. Em segundo lugar está "Perversa", que nomeia a cerveja da banda. Sim, a Antiga Roll tem uma cerveja lançada chamada Perversa, aprovada por quem gosta de cerva. Na terceira posição vem "Com Uma Garrafa na Mão". Sonzão curto e grosso que não chega a um minuto e meio. Em quarto a homônima ao play parece que foi feita no cenário da capa do álbum. Bom ver como eles exploram bastante os backing vocals. O solo do final é muito bacana. A quinta "Show de Rock 'n' Roll" é totalmente auto biográfica e talvez uma das mais pesadas do disco. Fechando o labo A do vinil "Tome Cachaça", já é bem conhecida pelo público da banda. As mudanças de tom são ótimas. Abrindo o segundo lado "Cantiga de Chapar" entrega toda a influência de Tequila Baby, convenhamos, bem como outras músicas. Emendando vem "Chave de Pernas". Mais ramoníaca, impossível. A nona é "Charlet". No ambiente limitado de bar e show de rock, normal ter uma canção com nome próprio feminino. Em décimo lugar encontra-se "Maldita Cabecinha" libidinosa e provocante. Em seguida "Disputa" tem aquela boa levada cinquentista com arranjos mais elaborados. O LP termina com "Quando Eu Tô Loco" que tem um riff bem Autoramas. Totalmente roller. A versão CD tem mais quatro faixas. Na sequência certa está "Cara, Não Lembro de Nada" dá a  impressão que esses garotos só narram a rotina deles nas letras, que parece ser extremamente boêmia. "Sexta-feira" segue reafirmando o viés alcóolico. "Last Chance" é outra rapidinha, mas cantada em inglês e fechando com chave de ouro "Manaus Caos" é rápida e tem a letra mais punk do grupo.
A arte gráfica de "Zumbi do Bar" ilustra com perfeição a temática cachaceira e devassa da banda, com o detalhe de algumas fotos diferentes nos encartes das versões CD e LP. Apesar da disponibilidade gratuita da discografia, procure adquirir os discos oficiais, por simples merecimento da Antiga Roll, que é uma das bandas mais atuantes, parceiras e divertidas do cenário rockeiro de Manaus.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Meio Dia em Revista com Quadrinhistas Autorais

Participação no programa Meio Dia em Revista da TV Cultura em 06 de julho de 2016. Gravação ao vivo em take direto com apenas uma pausa de intervalo.
No estúdio em companhia de Gedeon e do eterno parceiro Romahs. Na pauta, sem tempo pra delongas e detalhes, a gestão do Clube dos Quadrinheiros de Manaus e o trabalho solo lançado na graphic novel O Desejo Eterno.
Nona arte autoral regional ganhando seu espaço aos poucos.

Os participantes Mário OrestesGedeon e Rogério Romahs

Ao vivo no estúdio do programa Meio Dia em Revista.
Todas as fotos por Giselle Mascarenhas.

Participantes com a apresentadora Bia