Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Os 10 Mais Discos

         As listas “10 Mais” são clássicas em várias citações, entrevistas, balanços analíticos e situações diversas. A mim mesmo, já me foi solicitado em programa de web radio, e este formato de apresentação ficou eternizado no filme longa metragem “High Fidellity” (filme de Stephen Frears de 2000. Ver resenha neste blog). Como audiófilo, passo a divulgar então minhas indicações particulares. Lógico que muito ficou de fora, mas convenhamos que há a limitação de apenas 10 escolhidos por listas.


Os 10 mais álbuns (nacionais):

1)                 “12 Fêmeas” de Marcelo Nova de 2013;
2)                 “Nós Vamos Invadir Sua Praia” do Ultraje a Rigor de 1985;
3)                 “Histórias de Sexo e Violência” dos Replicantes de 1987;
4)                 “Os Mutantes” dos Mutantes de 1969;
5)                 “A Verdadeira História de Um Brasileiro” do Não Religião de 1987;
6)                 “Vivendo e Não Aprendendo” do Ira! De 1986;
7)                 “Jorge Cabeleira e o Dia em que Seremos Todos Inúteis” do Jorge Cabeleira e o Dia em que Seremos Todos Inúteis de 1997;
8)                 “A Sétima Efervescência” do Júpiter Maçã de 1996;
9)                 “Vingança” do Azul Limão de 1986 e
10)             “Som de Caráter Urbano e de Salão” do Sheik Tosado de 1999.


Os 10 mais álbuns (internacionais):

"Setting Sons" do The Jam. Grande produção,
letras trabalhadas e repertório magnífico.
1)                 “Setting Sons” do The Jam de 1979;
2)                 “Halfway to Sanity” dos Ramones de 1987;
3)                 “The Clash” do The Clash de 1977;
4)                 “Restless and Wild” do Accept de 1983;
5)                 “The Number of the Beast” do Iron Maiden de 1982;
6)                 “Nevermind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols” do Sex Pistols de 1977;
7)                 “Reign in Blood” do Slayer de 1986;
8)                 “Pleasant Dreams” dos Ramones de 1981;
9)                 “Delta Machine” do Depeche Mode de 2013 e
10)             “Infestissumam” do Ghost de 2013.


Os 10 mais álbuns ao vivo (nacionais):

1)                 “Viva” do Camisa de Vênus de 1986;
2)                 “18 Anos Sem Tirar!” do Ultraje a Rigor de 1999;
3)                 “European Tour ‘87” do Cólera de 1988;
4)                 “RDP Vivo” do Ratos de Porão de 1992;
5)                 “Vivo” do Lobão de 1990;
6)                 “Acústico MTV” do Legião Urbana de 1999;
7)                 “Rock de Subúrbio Live!” do Garotos Podres de 1995;
8)                 “Enquanto a Trégua Não Vem” do Plebe Rude de 2000;
9)                 “Marky Ramone & Tequila Baby ao Vivo” do Tequila Baby de 2006 e
10)             “MTV ao Vivo” do Ira! De 2000.


Os 10 mais álbuns ao vivo (internacionais):

1) ”It’s Alive” do Ramones de 1977;
2) “Live After Death” do Iron Maiden de 1985;
3) “World Wide Live” do Scorpions de 1985;
4) “Live at Shea Stadium” do The Clash de 2008;
5) “Staying a Life” do Accept de 1990;
6) “If You Want Blood (You’ve Got It)” do AC/DC de 1978;
7) “Briefcase Full of Blues” do The Blues Brothers de 1978;
8) “Loco Live” do Ramones de 1992;
9) “The Eagle Has Landed - Live” do Saxon de 1984 e
10) “Live Evil” do Black Sabbath de 1982.


Os 10 mais álbuns duplos (nacionais):

1)                 “Duplo Sentido” do Camisa de Vênus de 1987;
2)                 “Música para Acampamentos” do Legião Urbana de 1992;
3)                 “No Money No English” do Ratos de Porão de 2012;
4)                 “CSNZ” do Chico Science e Nação Zumbi de 1998;
5)                 “A Arte de Raul Seixas” do Raul Seixas de 1982;
6)                 “20 Anos – Antologia Acústica” de Zé Ramalho de 1997;
7)                 “Elis Vive” da Elis Regina de 1984;
8)                 “A Arte Maior de Chico Buarque” do Chico Buarque de 1983;
9)                 “Trem Azul” da Elis Regina de 1982 e
10)              “Burguesia” do Cazuza de 1989.


Os 10 mais álbuns duplos (internacionais):

1)                 “Ramones Mania” do Ramones de 1988;
2)                 “London Calling” do The Clash de 1979;
3)                 “Live After Death” do Iron Maiden de 1985;
4)                 “Tokyo Tapes” do Scorpions de 1978;
5)                 “The Wall” do Pink Floyd de 1979;
6)                 “All the Stuff and More – Vol. 1” do Ramones de 1991;
7)                 “Ummagumma” do Pink Floyd de 1969;
8)                 “Tommy” do The Who de 1969;
9)                 “Physical Graffiti” do Led Zeppelin de 1974 e
10)              “…And Justice for All” do Metallica de 1988.


Os 10 mais EPs (nacionais):

1)                 “O Concreto Já Rachou” do Plebe Rude de 1985;
2)                 “Pânico em SP” do Inocentes de 1986;
3)                 “Ordem e Progresso” do Azul Limão de 1987;
4)                 “É Natal!!?” do Cólera de 1987;
5)                 “Liberdade para Marylou” do Ultraje a Rigor de 1986;
6)                 “Botas, Fuzis e Capacetes” do Olho Seco de 1983;
7)                 “A Chave do Sol” do A Chave do Sol de 1985;
8)                 “Simoniacal” do MX de 1988;
9)                 “Reflexos da Noite” do Violeta de Outono de 1986:
10)              “Muzak” do Muzak de 1985.


Os 10 mais EPs (internacionais):

1)                 Kaizoku-Ban” do Accept de 1986;
2)                 “Jailbreak ‘74” do AC/DC de 1984;
3)                 “Metalmorphosis” do English Dogs de 1987;
4)                 “Aces High Maxi Single” do Iron Maiden de 1983;
5)                 “If You Have Ghost” do Ghost de 2013;
6)                 “Panic” do The Simths de 1987;
7)                 “The Pretenders” do The Pretenders de 1984;
8)                 “Brain Death” do Nuclear Assault de 1986;
9)                 Midnight Oil” do Midnight Oil de 1978 e
10)              “No Need to Panic” do G.B.H. de 1987.


Os 10 mais álbuns de estréias (nacionais):

1)                 “Camisa de Vênus” do Camisa de Vênus de 1985;
2)                 “Nós Vamos Invadir sua Praia” do Ultraje a Rigor de 1985;
3)                 “Legião Urbana” do Legião Urbana de 1985;
4)                 “O Futuro é Vortex” do Replicantes de 1986;
5)                 “Vingança” do Azul Limão de 1986;
6)                 “Signo de Taurus” do Taurus de 1986;
7)                 “A Verdadeira História de um Brasileiro” do Não Religião de 1987;
8)                 “Os Mutantes” do Mutantes de 1969;
9)                 “Da Lama ao Caos” do Chico Science e Nação Zumbi de 1994 e
10)             “Jorge Cabeleira e o Dia em que Seremos Todos Inúteis” do Jorge Cabeleira e o Dia em que Seremos Todos Inúteis de 1997.


Os 10 mais álbuns de estréias (internacionais):

1)                 “The Ramones” do Ramones de 1976;
2)                 “The Clash” do The Clash de 1977;
3)                 “Fresh Fruit for Rotting Vegetables” do Dead Kennedys de 1980;
4)                 “Nevermind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols” do Sex Pistols de 1977;
5)                 “Iron Maiden” do Iron Maiden de 1980;
6)                 “The Stooges” do Stooges de 1969;
7)                 “The Doors” do The Doors de 1967;
8)                 “Velvet Underground & Nico” do Velvet Underground de 1967;
9)                 “Hot Fuss” do Killers de 2004 e
10)              “Talking Heads: 77” do Talking Heads de 1977.


O memorável "O Galope do Tempo" de
Marcelo Nova com sua temática auto biográfica
Os 10 mais álbuns conceituais (nacionais):

1)                 “O Galope do Tempo” de Marcelo Nova de 2005;
2)                 “Verde Não Devaste” do Cólera de 1989;
3)                 “Afrociberdelia” do Chico Science e Nação Zumbi de 1996;
4)                 “Da Lama ao Caos” do Chico Science e Nação Zumbi de 1994;
5)                 “É Natal!!?” do Cólera de 1987;
6)                 “Usuário” do Planet Hemp de 1995;
7)                 “Tim Maia Racional” do Tim Maia de 1974;
8)                 “Tubarões Voadores” do Arrigo Barnabé de 1984;
9)                 “Império dos Sentidos” do Fausto Fawcett e Robôs Efêmeros de 1989 e
10)             “Searching for the Light” do Dorsal Atlântica de 1990.


Os 10 mais álbuns conceituais (internacionais):

1)                 “Animals” do Pink Floyd de 1977;
2)                 “Tommy” do The Who de 1969;
3)                 “Sargent Peppers Lonely Hearts Club Band” do Beatles de 1967;
4)                 “The Wall” do Pink Floyd de 1979;
5)                 “Quadrophenia” do The Who de 1973;
6)                 “Tales of Mistery and Imagination – Edgar Allan Poe” do The Alan Parsons Project de 1975;
7)                 “Aqualung” do Jethro Tull de 1971;
8)                 “Where Legend Began” do English Dogs de 1987;
9)                 “Crossover” do D.R.I. de 1987 e
10)             “2112” do Rush de 1976.


Os 10 mais álbuns coletâneas (nacionais):

1)                 “Tijolo na Vidraça” do Marcelo Nova de 2001;
2)                 “Sub” vários artistas de 1983;
3)                 “A Revista Pop Apresenta o Punk Rock” vários artistas de 1977;
4)                 “Garotos do Subúrbio” do Inocentes de 2012;
5)                 “Algo Mais” do Mutantes de 1980;
6)                 “10 Anos Bebendo Vinho” do Wander Wildner de 2005;
7)                 “Arriba Arriba” do Garotos Podres de 1997;
8)                 “Pegasus – The Tapes I” do Azul Limão de 2001;
9)                 “Botinada: A Origem do Punk no Brasil” vários artistas de 2006 e
10)             “Ataque Sonoro” vários artistas de 1985.


Os 10 mais álbuns coletâneas (internacionais):

1)                 “Hey Ho Let’s Go. Antology” do Ramones de 1999;
"Hey Ho Let's Go. Anthology" Uma grande coletânea com um
livreto em papel couché e capa dura como encarte
2)                 “Built for Speed” do Stray Cats de 1983;
3)                 “Who Made Who” do AC/DC de 1986;
4)                 “No Remorse” do Motorhead de 1984;
5)                 “The Story of The Clash. Volume I” do The Clash de 1988;
6)                 “Standing on the Beach – The Singles” do The Cure de 1986;
7)                 “The Legend” da Janis Joplin de 1994;
8)                 “20 Years of Jethro Tull” do Jethro Tull de 1988;
9)                 “Finyl Vinyl” do Rainbow de 1986 e
10)             “We’re Mad – The Antology” do Toy Dolls de 2002.


Os 10 mais álbuns covers (nacionais):

1)                 “Jam 80” vários artistas de 1999;
2)                 “Por quê Ultraje a Rigor?” do Ultraje a Rigor de 1989;
3)                 “O Barulho dos Inocentes” do Inocentes de 2000;
4)                 “Feijoada Acidente” do Ratos de Porão de 1995;
5)                 “Você se Lembra do Rock and Roll que Tocava na Rádio? – Tributo Brasileiro aos Ramones” vários artistas de 2008;
6)                 “Elvis Vive” do Jerry Adriani de 1990;
7)                 “Isso é Amor” do Ira! de 1999;
8)                 “As Dez Mais” do Titãs de 1999;
9)                 “Revolusongs” do Sepultura de 2002 e
10)             “O Embate do Século: Ultraje a Rigor vs Raimundos” do Ultraje a Rigor e do Raimundos de 2012.


Os 10 mais álbuns covers (internacionais):

1)                 “Acid Eaters” do Ramones de 1993;
2)                 “The Song Ramones the Same” vários artistas de 2002;
3)                 “Pin Ups” de David Bowie de 1973;
4)                 “Jeff Beck and the Big Town Playboys – Crazy Legs” do Jeff Beck de 1993;
5)                 “Everybody’s Rocking’” do Neil Young and the Shocking Pinks de 1987;
6)                 “Saturday Morning - Cartoons Greatest Hits” vários artistas de 1995;
7)                 “Virus 100 – A Tribute to Dead Kennedys” vários artistas de 1992;
8)                 “Lounge Against the Machine” do Richard Cheese de 2000;
9)                 “Reborn” do Northen Kings de 2007 e
10)             “We’re a Happy Family – A Tribute to Ramones” vários artistas de 2003.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Obras Censuradas de Orestes

Neste fim de ano o Clube dos Quadrinheiros de Manaus está realizando a exposição coletiva “Natal em Quadrinhos” na Galeria do Largo São Sebastião. Estou participando, como de praxe em tudo que o Clube faz, com três quadros tamanhos A3. Um com o Capitão dos Piratas do Tietê (do mestre Laerte) como Papai Noel, outro com personagens de Angeli num Natal junkie e um terceiro com a Gata e o Gato (também de Laerte). Tive de preparar dois destes, no improviso, devido a censura que sofri em dois quadros que ficaram de fora da exposição. Um deles é Natal The Walking Dead e o outro Natal com Juiz Dredd. O primeiro censurado, não me deram justificativa nenhuma. O segundo alegaram que o Papai Noel não poderia aparecer portando armas. Sinceramente, não entendo, pois se aparecer um Papai Noel criminoso, este não deve ser preso? Sem contar que é tradição das histórias do Dredd, Papai Noel ser preso por ele em época de Natal. De qualquer forma, aqui neste blog não tem censura e divulgo a imagem de ambos os censurados abaixo com uma frase minha: NATAL É O CARALHO!

Natal The Walking Dead entrou no folder da exposição, antes da censura vetá-lo

Na política de Robério Praga, Papai Noel não pode ser preso, mesmo sendo criminoso

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Entrevista com Joaquim Marinho (parte 4 de 6)

         Quarta parte da entrevista que fiz com o jornalista/radialista Joaquim Marinho. Quem ainda não viu essa entrevista, recomendo assisti-la desde o começo, pois o mestre dá algumas revelações surpreendentes.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Ainda Aforismos de Orestes


“A sinceridade é algo totalmente volátil. Sua volatilidade está no interesse da manutenção de seu autor e pode alcançar feitos impensáveis para o fechamento eficaz de seu intuito, seja ele qual for. Quando esse ponto impensável é praticado, já deixa de ser sinceridade e transmuta para alguma outra qualidade, por vezes não identificável.”

“Especuladores de plantão são viciados em celeumas. Fazem destas, ferramentas de atuação para vivência, com direito a produção, direção e interpretação.”

“O Capitalismo é um mal tão poderoso e dominante que já está enraizado na cultura de todas as sociedades contemporâneas. Mesmo aquelas isoladas em pontos longínquos, já são afetadas por esse poder, ao sofrerem indiretamente os fenômenos globais das mudanças climáticas causadas por essa mazela sistemática epidêmica.”

“Boa parte de delícia da vitória está na certeza de haver um derrotado que não é você e que porventura você derrotou.”

“A corrupção no Brasil alcançou um grau de excelência tão grandioso, que quando você é comprovadamente corrupto, vai a julgamento e é condenado, pode usar isso a seu favor ao ponto de conseguir um emprego com salário de vinte mil reais ou receber uma aposentadoria com uma remuneração similar.”

“Quando a palavra exerce o poder de influência e muda o comportamento de seu receptor, temos um princípio de revolução. Tal fenômeno flutua entre um gesto inócuo individualista e o inconsciente coletivo megalomaníaco.”

“A ignorância sempre estará presente na história da humanidade. Ainda mais enquanto a humanidade continuar registrando os fatos conforme seus interesses.”

“Todo mundo tem de viver voluntariamente uma porcentagem do indesejável, para conseguir agüentar e sobreviver, a este desagradável, quando o mesmo surgir inesperadamente, mesmo que numa intensidade diferente da experimentada antes.”

“O ramo artístico é de um dilema com extremos opostos, pois apresenta coadjuvantes edificantes e fomentadores, bem como, mentecaptos ingênuos promovedores da discórdia e do segregacionismo. Basta adentrar para se ter acesso a ambos da fauna. Este dilema existe em todo meio. Porém, é no artístico que se ostenta o status célebre.”

“Não se engane! Por mais altruísta, filantrópico e amável que você possa ser, sempre lhe haverá um detrator, mesmo que este lhe seja desconhecido.”