Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Clube dos Quadrinheiros no 1º Circuito de Cultura Urbana Magdalena Arce Daou

O texto abaixo eu escrevi para o blog do Clube dos Quadrinheiros de Manaus.


Um dos expositores com trabalhos de João Vicente
 Nos dias 21, 22 e 23 de setembro, o Clube dos Quadrinheiros de Manaus participou do 1º Circuito de Cultura Urbana Magdalena Arce Daou.  No Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou.  A participação contou com exposição de desenhos realizados pelos artistas do grupo, realização de oficina, venda de camisetas, venda de action figures, venda de gibis e venda de caricaturas do público realizadas no local.
Action Figures para venda

Em todos os três dias do evento, o Clube dos Quadrinheiros de Manaus começou sua participação em horário de abertura, as 16:00 e manteve presença até o término às 22:00.  O grupo ocupou duas barracas que mostraram-se insuficientes fisicamente para abrigar todo o material, sendo necessário postar expositores, extra barracas, com desenhos dos artistas, para apreciação pública.
Parte do grupo de quadrinheiros no primeiro dia de evento
Ainda no primeiro dia de evento, a quadrinheira Virgínia Allan (Sayonara Melo) realizou a Oficina de Leitura Interpretativa, onde ministrou todo seu conhecimento literário com a postura didática demandada pelos participantes.  Vale frisar que a artista já possui um certo legado em seu currículo com livros lançados, prêmios ganhos e ótimos blogs na internet.
O quadrinheiro Janilson Cardoso, além de expositor, manteve sua prática de desenho durante todos os dias de evento, chamando atenção dos transeuntes que, por várias vezes, postavam-se no stand, curiosas com a prática desta arte fascinante.
Parte do Clube dos Quadrinheiros de Manaus no segundo dia de evento
Já o quadrinheiro Ramon Rodrigues, que também expôs um grande número de desenhos autorais, também expôs e vendeu camisetas com ilustrações relacionadas aos temas quadrinhos, animê e cinema.
O veterano João Vicente (membro fundador do Clube dos Quadrinheiros de Manaus) também expôs um grande número de desenhos e uma história em quadrinho não finalizada.  Também levou parte de seu acervo de revistas em quadrinhos e action figures para venda a um preço bastante acessível.
O público ávido por caricaturas feitas ao vivo por Rogério Romahs
A quadrinheira Angeliny Mazarello expôs três desenhos a lápis com seu traço ultra realista, mostrando apenas parte de seu talento nesse impressionante estilo que valoriza a anatomia humana e os efeito de preto e branco do grafite.
A partir do segundo dia o stand teve uma mostra brilhante de trabalho do renomado quadrinheiro Rogério Romahs que realizou caricaturas do público que gerou filas na vontade de adquirir seu próprio retrato.  Este trabalho foi complementado com arte final do quadrinheiro Cristopher que também expôs para venda parte de seu acervo pessoal de revistas em quadrinhos.
O grupo no terceiro dia de evento
No terceiro dia de evento, João Vicente foi justamente homenageado com uma placa de participação no evento, representando toda a classe de quadrinheiros da cidade de Manaus e que participaram do Circuito.
Além dos nomes já citados, também marcaram presença os quadrinheiros Bruno Cavalcante, Mário Orestes, Plínio Campos, Jucylande Júnior e Joni Campos.
João Vicente ao centro com placa em sua homenagem


O 1º Circuito de Cultura Urbana Magdalena Arce Daou é um evento de arte e cultura urbana em geral e além da nona arte, representada pelo Clube dos Quadrinheiros de Manaus, também contou com um campeonato de skate, com pista de BMX, jogo de bumerangue, exposição de fanzines, oficina de desenho, mostra de vídeos, música ao vivo com várias bandas, exposição de artesanato, cosplay e muito mais.  O sucesso do projeto, consolidou-o para sua segunda edição no ano que vem.  Certamente que o Clube dos Quadrinheiros de Manaus estará presente.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Sem Pôr o Fim



Tua imagem me é onipresente
Teu cheiro me deixa inconsciente
Te ter sempre em meu imaginário
Me faz sentir um peixe num aquário

Estar contigo e não te tocar
Mesmo depois faz lembrar
Desejo de teus lábios sentir
Agonia e tortura em reprimir

Cada mensagem que me chega
Palavra tua tão meiga
Toda esta nua sinceridade
Sentimento que não tem idade

Certeza de estar agraciado
Ideal de prazer formado
Longínquo paraíso formoso
Mútuo conhecimento gostoso

terça-feira, 11 de setembro de 2012

The Filth and the Fury - A Sex Pistols Film

 O primeiro filme documentário sobre os Sex Pistols, o ótimo The Great Rock ‘N’ Roll Swindle, de 1980 (já resenhado neste blog, ver arquivo) teve direção de Julien Temple e conseguiu expor fielmente toda a síntese transmitida pelo ímpeto punk, de uma das bandas mais polêmicas do mundo.  Apesar da película não ter sido nenhum sucesso de bilheteria, acabou tornando-se um cult movie cativante e satisfatório para banda, crítica e público.  Prova disso, é que o mesmo Julien Temple foi convidado pelo grupo a realizar um segundo documentário no ano de 2000, reforçado pelo retorno da banda com sua formação original.  The Filth and the Fury - A Sex Pistols Film tem 108 minutos de duração e traz de volta todo o espírito iniciado no primeiro trabalho do diretor com os pistolas sexuais.
Poster do premiado documentário de Julien Temple
Apesar do clima saudosista e da ausência de referências à volta da banda, o filme mantem o telespectador entretido pela dinâmica narrativa da direção e pelos grandes registros inseridos.  A cena dos membros dizendo o primeiro palavrão ao vivo na TV britânica é marcante, não só pelo ato subversivo, mas pela histórica presença de Siouxsie Sioux.  O registro de Johnny Rotten perguntando do público se eles já tiveram a sensação de estarem sendo enganados, no final de uma apresentação ao vivo, também vale conferir.  Contudo, um dos maiores trunfos do documentário, está no aproveitamento de muitas cenas que ficaram de fora do, já citado, The Great Rock ‘N’ Roll Swindle, bem como as hilárias cenas de desenho animado, dentre repetidas e inéditas.
Uma curiosidade, de certa forma, muito bem sacada, é que os depoimentos atuais dos membros da banda são dados, com estes postados contra luz, aparecendo apenas suas silhuetas.  O que dá um ar sombrio nas figuras reforçando a dramatização nos ditos.
A hilária cena do primeiro palavrão da TV britânica
Ganhador dos prêmios Melhor Documentário no Chicago Film Critics Association, Melhor Documentário no Online Film Critics Society Awards e Melhor Documentário em Língua Estrangeira na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, The Filth and the Fury - A Sex Pistols Film traz, além de cenas antológicas, uma boa diversão, até mesmo para quem não gosta dos Sex Pistols ou de rock em geral.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Orestes no Programa Mandrake.Com

 No sábado do dia 01 de setembro, Orestes esteve presente na web radio Manifesto Norte a convite do DJ Mandrake, para prestar entrevista e executar músicas diversas.
O ativista cultural Sando Nine com Orestes na web radio Manifesto Norte
Como o anfitrião não estava presente, por compromissos profissionais de promoter, coube ao renomado ativista cultural Sandro Nine acompanhar Orestes na empreitada do programa Mandrake.Com.
Como o convidado já teve experiência de mais de um ano produzindo, dirigindo e apresentando o programa Vertical Classic Rock (veja blog do programa http://www.verticalclassicrock.blogspot.com.br/ ) na extinta web radio Vertical, esteve totalmente a vontade e sentindo-se perfeitamente em casa.
Durante duas horas Orestes falou sobre seus blogs, suas empreitadas virtuais, com grupos voluntários, literatura, músicas, estilos, bandas, discos e artistas que lhe influenciaram, no âmbito regional, nacional e internacional.
Durante a apresentação do programa Mandrake.Com
No play list escolhido, Orestes tocou Sisters of Mercy (referência obrigatória do gothic rock mundial, sucesso até hoje nas pistas de dança); Jorge Cabeleira (extinta banda recifense do movimento Mangue Beat); Blonde Redhead (banda norte americana de rock alternativo com lindos vocais femininos); The Jam (banda inglesa mod que influenciou o grupo paulistano Ira!, que existiu do final da década de 70 até início dos anos 80 e teve Paul Weller como guitarrista vocalista), dentre outros nomes.
No final ficou a sensação de dever cumprido, prevalecendo o convite de Sandro Nine para Orestes retornar em breve à rádio e, quem sabe, fazer parte da equipe de locutores.