Auto biografia artística virtual. Registros de eventos, resenhas, crônicas, contos, poesia marginal e histórias vividas. Tudo autoral. Quando não, os créditos serão dados.

Qualquer semelhança com a realidade é verdade mesmo.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Orestes no Amazônia TV



Mas que diabos esse cara estava fazendo no telejornal AM TV?
Como o vídeo no site da emissora está protegido de download, você terá de clicar no link abaixo pra saber.
Assista!  É menos de 3 minutos.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Mucuras Verdes - Seed Balls Manaus



Nessa semana divulgo a campanha Seed Balls que o grupo Mucuras Verdes (o qual tenho o orgulho de fazer parte) está lançando.
Procure colaborar também pra que nossa cidade seja mais arborizada.  Se por acaso, você estiver em outra cidade, pode tomar a iniciativa de produzir as suas Seed Balls e tentar melhor o clima do local onde se encontra.



quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida

Eis que na nova safra de bandas manauaras, surge uma que demonstra criatividade em suas composições e em seu estilo como um todo.  Luneta Mágica veio para apresentar um diferencial ausente no cenário local, até então.  Com o lançamento em 2012 de seu debutAmanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida”, o grupo esbanja samplers, sintetizadores, efeitos e distorções na mistura de Mutantes com Karnak, Walter Franco, Los Hermanos e Moby servindo um acabamento peculiar em sua essência.
Alucinante arte da capa do debut CD da alucinante Luneta Mágica
A bolachinha abre com “Astronauta” que dá logo de cara a plástica sonora que virá no decorrer de todo o disco.  A segunda “Não Acredito” tem cadência de pista de dança, mas sem o apelo pop da maioria que é usada em pick ups.  Aqui a poesia da letra se posta em primeiro plano e uma breve narração lusitana na introdução mostra a influência literária, principalmente de Fernando Pessoa.  Terminando a música, uma série de efeitos sintéticos alucina o ouvinte.  A terceira faixa é “Largo São Sebastião” que remete o narrador em primeira pessoa ao local que a nomeia, como ponto de fuga para descontração.  A quarta “Cinco Bolas de Sorvete Por Apenas Um Real” tem letra curtíssima em contraste com a duração da faixa que chega a ultrapassar os oito minutos.  O destaque desta está no bonito desenhar do contrabaixo que chega a superar o dueto com o solo de guitarra.  Quinta faixa nomeada como “Aqui Nunca Nasceram Heróis” é de um lirismo poético em sua letra digno dos grandes nomes da literatura.  Desta feita, os teclados se sobressaem.  A sexta é “Sábado” (que trocadilho horrível), que apesar da letra romântica chata, é riquíssima em seus arranjos com direito a violino e violoncelo.  Forte candidata à hit.  Em seguida vem “Guarda-Chuva” com outra letra curtíssima encarnando Gene Kelly no clássico cinematográfico “Cantando na Chuva”, sendo que esta já consta com arranjos mais simplistas.  Na sequência vem uma instrumental, “Manaus” com elementos techno orientais que mais parecem viagem de lança perfume.  Posteriormente está “Embarcação” confirmando a poesia literária da banda em suas letras, que sofre subidas de acordes adrenalizantes.  A penúltima é “O Vento e as Árvores”.  Um canto boêmio que encanta pela simplicidade e pela sutileza.  Pra fechar o álbum com chave de ouro, uma faixa escondida não creditada que é um bonito dedilhado de violão elétrico com alguns samplers de vozes.
Em suma “Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida” é um grande CD que emplaca a banda Luneta Mágica como uma grande promessa para destacar o rock nortista dentre o vigente no Brasil.  O mais louvável no entanto, é a atitude dos músicos em disponibilizarem todo o álbum pra download gratuito.  Longa vida à esses garotos.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

The Walking Dead

 Tudo começou com a criação e o lançamento de uma simples história em quadrinhos independente de terror.  Em pouco tempo The Walking Dead se tornou febre e assim como a bactéria zumbi, contaminou milhares de pessoas no mundo todo, tirando Robert Kirkman (criador e roteirista) e Tony Moore (desenhista, arte finalista e tons de cinza, substituído por Charlie Adlard a partir da edição de número 7) do anonimato, e ainda levando Cliff Rathburn (tons de cinza adicionais) de carona.
Capa da primeira edição da HQ que deu origem à série
Mundo atual.  Ao acordar de uma inconsciência médica em um hospital, após ser baleado em trabalho, o policial Rick Grimes encontra uma cidade totalmente devastada por uma infecção zumbi.  Sua prioridade inicial é encontrar sua família, a esposa Lori e seu filho Carl, mas imediatamente ele percebe que há uma meta imprescindível, sobreviver.  Não demora pra encontrar seus próximos e com eles outros personagens secundários, mas não menos importantes na história.  Shane, o parceiro de trabalho que mantém uma relação de fiel amizade e traíra em condicional.  Glenn, o entregador de pizzas que se revela um braço forte e confiável na luta pela sobrevivência.  Dale, um viúvo entrando na terceira idade, dono de um trailer muito útil como abrigo.  Phillipo Governador”, um dos maiores vilões que já apareceram na ficção.  Mantém uma comunidade sobrevivente que atua sob seus domínios ditatoriais.  Michonne, ex advogada que praticava esgrima e por isso, torna-se grande guerreira no combate aos zumbis.  Dentre vários outros personagens que vão surgindo e protagonizando o decorrer de toda a trama.
Cena extraída da terceira temporada
A fórmula usada pelo criador, que garantiu e ainda vem garantindo, sucesso à saga, está na exploração das crises pessoais causadas pela emergência de sobrevivência.  Os zumbis são meros coadjuvantes.  O centro da história é mesmo o drama de cada um.  O que você seria capaz de fazer para sair dessa situação?  Por acaso, você estaria disposto a isso pra se manter vivo?  É em situações de dilemas instigantes que o leitor encontra o cativo em querer sempre saber o que tal personagem fez.
Imagem do game The Walking Dead
O sucesso é tão grande que já existe uma versão em mangá para os quadrinhos, uma versão televisiva exibida pelo canal Fox que bateu recorde de audiência e é exibido em 120 países, um game com sequência lançada periodicamente, jogo de tabuleiro, versão em livro e uma série de souvenirs demandada pelo próprio mercado.  A série em quadrinhos também ganhou o prêmio Eisner, o Oscar das histórias em quadrinhos e de quebra o prêmio Eagle.
Enfim, The Walkind Dead não é uma série de terror, como rotulada para exposição, mas sim, um grande drama de sobrevivência, onde nossos valores são questionados e colocados em xeque em situações apocalípticas desesperadoras.
Procure conhecer que vale a pena.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Mate-Me Por Favor

A maneira mais saudosista de fidelização está na declaração de quem foi protagonista ou testemunha dos fatos.  Foi atinando nessa premissa que dois americanos tiveram a idéia de organizar um livro que acabou se tornando cult e referência obrigatória para quem gosta de rock underground e contra cultura.  Mate-me Por Favor” teve seu título extraído da frase de uma camiseta pintada a mão por Richard Hell (da banda Voidoids que ostentava a máxima: Please kill me).  Larry “Legs” McNeil (na época, editor e escritor do lendário fanzine “Punk) e Gilliam McCain apenas organizaram os depoimentos, de ícones como Patti Smith, Dee Dee Ramone, Joey Ramone, Malcom MacLaren, Debbie Harry, David Bowie, Johnny Thunders, dentre dezenas de outros nomes.
Capa de edição lançada em 1997 no Brasil.
Os relatos estão organizados em ordem cronológica, sendo que os primeiros são dos conhecidos como “proto punk”, aqueles que antecederam o movimento punk e, consequentemente, influenciaram praticamente todos que viriam a seguir.  Nesta leva encontram-se Lou Reed, Nico, Iggy Pop, Wayne Kramer etc.  Logo, podemos entender o porque do punk ser o que é.  Interessante dizer que tudo está descrito ipsis litteris, conforme declarado pelos músicos.  Isto é, não há censura.  Obviamente que, com tal liberdade, temos um esbanjo de sexo, brigas e drogas.
Dentre as passagens mais hilárias, pode-se citar quando os músicos dos Stooges passam a morar na infame Fun House.  Após uma violenta treta com os Hell’s Angels, os junkies se trancam no casarão, se armam até os dentes e passam a se entupir com todo tipo de drogas existentes.  Um deles, com uma espingarda em punho, passa a encarar um retrato de Elvis Presley na parede e num surto, começa a disparar na foto do rei.  O primeiro tiro serve de estopim para que os demais, também armados, façam uma série de disparos aleatórios pela casa.  Milagrosamente, ninguém saiu ferido.  Quando Iggy Pop descobre ter pego gonorreia de Nico, também merece destaque.
Vale salientar que não há apenas relatos de músicos, mas também de artistas plásticos, poetas, jornalistas, produtores e até mesmo groupies.  Enfim, de personalidades que realmente coadjuvaram esse capítulo da cultura pop.  Mate Me Por Favor” é uma leitura envolvente, divertida e muito informativa sobre a cena rocker underground.
Editora: L± ano (Brasil): 1997; paginas: 444.  A editora L&PM também relançou essa obra, dividida em duas partes no ano de 2004 com 307 páginas o volume 1 e 248 páginas o volume 2.